Pesquisa personalizada

domingo, 13 de março de 2011

Ensaio sobre a noção de palavra

Temos, certamente sem nenhum estudo aprofundado, a noção de que palavra é a representação de uma idéia através da escrita ou da falada. Neste ensaio, tentaremos mostrar essa noção de uma maneira mais aprofundada com base na leitura e discussão do assunto. Para algumas divisões da lingüística (fonologia, morfologia e sintaxe) existe uma maneira específica de se considerar a palavra.
Os fatos do sistema fonológico são levados em conta para se criar a noção de palavra a partir de uma análise fonológica. O que diz respeito ao fonema são fatos fonológicos, como por exemplo: traços distintivos, oposição, prosódia, etc. Então, como exemplo de um desses fatos citamos as palavras tola e toda onde temos [ l ] e [ d ] que possuem apenas o modo de articulação como traço distintivo. Encontramos assim duas unidades formadas por fonema e sílaba. Nas palavras fonológicas destacam também os traços supra-segmentais, ou seja, aquilo que esta além da segmentação, como por exemplo a acentuação que modifica a entonação.
Já de acordo com a morfologia, analisamos a estruturação interna das palavras. Neste caso, ela possue diferentes significados e pode ser explicada como lexema ( o que se apreende do mundo extralingüístico, unidade abstrata, conteúdo em si), como palavra morfossintática (o que diz respeito a forma da palavra, tempo/modo/numero/pessoa etc. ) e como forma de palavra ( seqüência sonora, o que aplicamos no enunciado) . No estudo morfológico, são vistas as diferentes formas de uma mesma palavra que sofre modificações, levando em consideração: afixos, morfemas, raiz, etc. Como exemplo de uma análise morfológica podemos citar a palavra entender que é um lexema , tem como radical –entend e após flexiona-la temos entendido.
Dentro da sintaxe a frase é constituída de palavras que são organizadas hierarquicamente. Elas combinam para formar as sentenças. Na frase “A Paula beijou o garoto” se o verbo não fosse flexionado, ficaria “ A Paula beijar o garoto”. Não criamos palavras, apenas as organizamos para surgir as frases. Por esse motivo citamos a morfossintaxe na analise morfológica, pois a morfologia das palavras é guiada pela sintaxe.


2 comentários:

  1. Achei um bom texto cientifico, porém vc pode buscar mais informações para complementar suas analises.

    Valeu

    ResponderExcluir